Apoiadores:


Brainsharing

Quais as principais dificuldades de empreender no Brasil (e como superá-las)?

Não é de hoje que existem dificuldades para empreender no Brasil. O nosso país ainda está no caminho para começar a dar o devido valor para negócios inovadores.

Para você ter uma ideia, em 2018, o Banco Mundial elegeu o Brasil como o país mais burocrático do mundo. 

Segundo Jaime Cardozo, presidente do SESCAP-LDR, as empresas gastam, todos os anos, quase 2.000 horas e R$ 60 bilhões apenas em burocracia tributária.

Mas a burocracia não é o único desafio que precisa ser enfrentado na hora de abrir uma empresa.

Bora conhecer as principais dificuldades de empreender no Brasil e como passar por cima delas?

Quem respeita as regras do jogo encontra dificuldades de empreender no Brasil

Isso pode parecer absurdo ou um convite para você ser fora da lei, mas acompanha o raciocínio que não é bem por aí.

Muitas pessoas no Brasil tocam suas empresas de forma ilegal.

O exemplo clássico é a sonegação de impostos e a prática de manter funcionários sem registro para “sair mais barato”.

E independente se essa prática for intencional, necessária para a sobrevivência do negócio, fruto do desconhecimento, má fé ou até mesmo rebeldia contra o governo, saiba que ela é injustificável e afeta MUITO o desenvolvimento do país.

Antes de explicar, vou deixar uma coisa clara: meu objetivo aqui não é debater sobre a carga tributária em si e o quanto isso é certo ou errado, mas sim mostrar como a ilegalidade de alguns afeta todo o mercado.

Vou me atentar ao fato que, por não pagarem uma série de impostos, as empresas informais conseguem muitas vezes oferecer preços e condições melhores que uma empresa que está seguindo as regras do jogo.

Num primeiro momento isso pode parecer “normal” e até mesmo bom para o consumidor, mas não é.

Em grandes economias, como Estados Unidos e Alemanha, a informalidade é estimada em 10% do PIB. Quando olhamos para países emergentes da Europa, esse valor dobra.

No Brasil, o cenário também não é favorável. Desde 2014 a economia informal só cresce no país.

Avanço da atividade informal no Brasil
Créditos: Economia G1 e IBGE

Informalidade é péssimo para o país, gera concorrência desleal e colabora para o desequilíbrio das contas públicas.

Por isso, quando for empreender, estude, se organize e faça como deve ser feito.

Assim você evita uma série de riscos desnecessários e, principalmente, tem acesso a investimentos, oportunidades e negócios que só são possíveis quando se está com tudo em dia.

E cá entre nós, se para sua empresa ser viável você precisa atuar na informalidade, algo de errado não está certo!

Muita vontade, pouca qualificação

Muitas pessoas têm a coragem e iniciativa para tirar uma ideia do papel. No entanto, não possuem o conhecimento necessário para construir o negócio.

Em um país onde a cada quatro empresas que são abertas, pelo menos uma fecha com menos de dois anos, é muito importante buscar conhecimento para conseguir construir algo sustentável e sobreviver no mercado.

Uma excelente forma de você fazer isso é consumindo os conteúdos das empresas que oferecem ferramentas para o seu negócio.

Como a grande maioria delas utiliza-se do marketing de conteúdo para atrair os clientes, diariamente compartilham muita coisa bacana que pode ajudar você.

Algumas sugestões:

É muito importante você estar em constante desenvolvimento, buscando sempre aprender (e desenvolver) as melhores práticas do mundo dos negócios.

As coisas mudam muito rápido e a consistência da sua empresa depende 100% da sua habilidade na hora de colocar as cartas na mesa.

A falta de incentivo a inovação ainda é uma das principais dificuldades para empreender no Brasil

Na minha opinião, empreender e inovar vem, cada vez mais, se tornando uma coisa só.

Vejo a inovação como ingrediente fundamental para garantir competitividade e vida longa para negócios de qualquer segmento.

Segundo um relatório da GEM (Global Entrepreneurship Monitor), o Brasil foi classificado como “em desenvolvimento” e o que diferencia esse grupo (considerado intermediário) dos países do topo da lista é exatamente a inovação.

O relatório separou os países em três categorias com base no que impulsiona o surgimento de novos negócios:

  1. Países desenvolvidos: empresas impulsionadas por inovação.
  2. Países em desenvolvimento: empresas impulsionadas pela eficiência, principalmente pelos avanços na indústria e no ganho de escala dos negócios.
  3. Países menos desenvolvidos: empresas impulsionadas por fatores, como a exploração de recursos naturais e até mesmo o empreendedorismo de subsistência.

A tendência é que negócios inovadores ganhem destaque nos próximos anos, mas precisamos pisar no acelerador.

A Forbes divulgou uma lista e, quando o assunto é inovação, das duas mil maiores empresas do mundo, apenas 1% é brasileira.

iFood, 99, Nubank e PagSeguro são alguns exemplos de modelos de negócios inovadores que iniciaram um processo de mudança no país.

Se você quer aprender a inovar e ficar por dentro das oportunidades do mercado, dá uma olhadinha no Rulez Pack 😉

3 dicas para superar as dificuldades de empreender no Brasil

Tudo o que foi citado dificulta o processo de abrir e tocar uma empresa.

Mas não desista, precisamos cada vez mais de empreendedores inovando, entregando valor para a sociedade e mudando a realidade do país e, por que não, do mundo.

Então, para que você possa fazer parte dessa mudança, vou deixar algumas dicas!

1) Não confunda velocidade com precipitação

Você precisa agir rápido, isso é fato.

Isso não significa que você deve sair investindo todo tempo e dinheiro na sua ideia de negócio.

Tenho quase certeza que você deve achar ela genial, talvez seus amigos e parentes também. Mas o que será que o mercado acha?

Anota ai: você precisa validar sua ideia.

Em outras palavras, você precisa diminuir o risco de dar errado que existe no que está pensando em fazer.

Confiança é importante, mas em doses exageradas é uma das piores armadilhas na hora de empreender. Ela pode te deixar cego e não tem coisa pior na vida de um empreendedor do que não enxergar os desafios que vão existir no caminho.

Tem uma frase que gosto muito:

Pense grande, comece pequeno e ande rápido!

E não tem forma melhor de fazer isso do que utilizar uma estratégia conhecida como MVP (Minimum Viable Product), que traduzindo para o português significa “Mínimo produto viável”.

Com um MVP, você conseguirá de forma rápida e barata identificar se o que você está querendo fazer tem realmente alguém precisando.

Uma vez você conseguindo essas respostas, aí sim é hora de intensificar os investimentos de tempo e dinheiro na construção do negócio.

Conheça um pouco da história do Marcus Ribeiro da Pluga e veja o quanto uma validação bem feita pode ajudar no processo.

2) Você não precisa de dinheiro para sua empresa dar certo

Não, isso não é um título sensacionalista caça-cliques.

Você acha que uma empresa quebra por que não tem mais dinheiro?

Para mim, uma empresa quebra porque tem um produto ou serviço que ninguém precisa ou talvez, em um cenário menos pior, até precisam, mas não estão dispostos a pagar o que está sendo cobrado e compram do concorrente.

Essa é a realidade que leva muitos empreendedores a ficar sem dinheiro e, consequentemente, fechar as portas.

Dinheiro não é causa, é consequência.
E isso vale tanto para o sucesso quanto para o fracasso.

Outra questão muito importante dentro desse universo é que existe muito dinheiro disponível no mercado.

Tem muita gente com muita grana querendo investir em bons projetos.

Sabe o que tá faltando?

Os bons projetos!

Portanto, anota aí: dinheiro não é problema (e nem solução)!

Existem outras coisas que você precisa buscar para que sua empresa de certo e as três que eu mais gosto de reforçar é o conhecimento, a experiência e as pessoas.

Conecte-se com pessoas que entendem do assunto, busque mentorias, participe de eventos do segmento que quer empreender, faça networking, converse com o público-alvo e com os clientes, enfim, absorva o máximo de informação possível para que suas decisões sejam pautadas em fatos e não intuições e achismos.

3) Explore os nichos de mercado para superar as dificuldades de empreender no Brasil

Como dizem por aí, o Brasil é um país de proporções continentais. Somos o quinto maior país do mundo em extensão territorial, com 8.515.767 km².

Isso proporciona uma diversidade gigantesca de povos, cultura e costumes.

E sabe o que isso significa?

Oportunidade!

Existem milhares de nichos a serem explorados.

Você não tem que fazer algo que todo mundo use. Tem que fazer algo que alguém use.

É normal quando pensamos em empreender, desejarmos atingir o máximo possível de pessoas, mas focar em um público e explorar esse nicho é uma excelente forma de acelerar seu crescimento.

E é sempre importante lembrar: muitas vezes quem querem agradar todo mundo, acabam não agradando ninguém.

Minha recomendação é que você comece com um público bem definido e foque em entregar um bom produto ou serviço para eles.

Depois que isso der certo você avalia quais serão os próximos passos para atingir novos públicos e expandir seu mercado.

É possível empreender no Brasil!

Mais do que possível, é necessário empreender no Brasil.

São pessoas com espírito empreendedor e coragem de arregaçar as mangas e fazer acontecer que colaboram para que a engrenagem gire, a economia se movimente e todos caminhem sempre em direção a um país melhor.

Só depende de você!

Estude muito, analise cases de sucesso, troque ideia com outros empreendedores, faça testes, aprenda com os erros e comemore as conquistas.

Isso vai te ajudar a enfrentar as dificuldades de empreender no Brasil e fazer com que nada seja capaz de te parar.

mm
Autor

Desenvolvedor web aposentado, especialista em SEO e fundador da Rulez.

Copy link